Manobras desesperadas de Macri para esconder uma offshore familiar

Trata-se da Fleg Trading, a empresa que veio a público com os Panama Papers e que o presidente negou.

FONTE: Portal de Noticias

Dirigentes próximos de Mauricio Macri deram passos importantes para “desligar” o presidente argentino da empresa offshore Fleg Trading, cuja existência foi descoberta em abril de 2016 pelos Panama Papers.

panama_papers_macri_258117318-696x391

De acordo com os portais informativos Infobae, La Nación e Perfil foram realizadas trocas de documentos, negociações e reuniões entre o escritório de advogados panamenho Mossack Fonseca, um contador uruguaio e advogados de Macri entre abril de 2016 e setembro de 2017. O objetivo era completar a documentação exigida pela Justiça.

Os intensos trâmites incluíram um pedido ao contador que intermediou a abertura da sociedade desde o Uruguai para modificar em 2016 as datas de um documento datado de 1998, atestando que tinha sido Franco Macri – pai do presidente- quem comprou a empressa FLEG Trading naquela época. No entanto, Santiago Lussich Torrendell, o contador, recusou o pedido por medo de que uma análise pericial caligráfica ordenada pela Justiça detectasse o engano.

Os advogados do Presidente pretendem reunir documentos comprobatórios de que o presidente Macri não tinha sido um acionista dessa empresa e, portanto, não informou esse fato na sua declaração juramentada quando assumiu como chefe de governo da cidade em 2007.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s