Alberto comemora um mês a frente do governo com uma agenda de recomposição social e econômica

Nos primeiros 30 dias, o presidente se concentrou em medidas que podem mitigar os efeitos da crise social e na estratégia diplomática que facilita as negociações com o FMI.

FONTE: Portal de noticias

Alberto Fernández chegou ao primeiro mês como presidente da República Argentina e coloca toda a sua energia na solução da crise econômica sem ajuste social.

Desde que assumiu, o presidente lançou medidas destinadas a favorecer a funcionários públicos e privados, aos aposentados, ao controle de preços, a abaixar juros, a taxar com impostos a disponibilidade do dólar, e ao controle de importação.

Com relação à questão internacional, está preocupado com que a proposta ao Fundo Monetário Internacional (FMI) seja concluída antes do início do verão em Washington. Isso poderia ser realizado apesar dos altos e baixos das relações bilaterais que a Casa Rosada mantém com a Casa Branca.

Em seu relacionamento com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, só se falaram uma vez por telefone antes de Evo Morales se exilar na Argentina. Trump prometeu sua ajuda na negociação com o FMI e seu colega argentino reiterou que planeja pagar quando a economia nacional crescer.

A predisposição oficial de Trump está ligada às relações externas que a Argentina mantém com Maduro e Evo Morales. Se Alberto Fernández permanecer equidistante ou um pouco a favor da posição americana, o FMI provavelmente considerará a oferta nacional preparada pelo ministro de economia  Guzman e sua equipe de dívida externa.

Para Alberto Fernández é muito importante aprofundar o relacionamento com Trump como forma de avançar com o FMI. Por tal motivo está sendo assessorado pelo chanceler Felipe Solá, o embaixador nosEstados Unidos Jorge Argüello, e pelo Secretário de Assuntos Estratégicos Gustavo Béliz, quando se trata de estabelecer uma posição com o país do norte.

Dois dos objetivos de Fernández, além da recomposição do salário e do tecido produtivo para 2020, são: a visita do Papa Francisco à Argentina e uma trégua com Jair Bolsonaro, presidente do Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s